Texto extraído de: UOL

 

Cesar Cielo mostrou neste sábado que ainda é o melhor do planeta nos 50 m livre. O brasileiro conquistou o tricampeonato mundial da prova ao vencer em Barcelona e 'se vingar' do francês Florent Manaudou, que o havia batido nas Olimpíadas de Londres-2012 e ficou apenas em quinto lugar.



Cielo, que havia registrado apenas a terceira marca nas semifinais, foi o mais rápido na decisão com 21s32. Foi o melhor tempo já registrado sem traje tecnológico. O brasileiro conquista sua sexta medalha de ouro em Mundiais, sendo o primeiro a obter o tricampeonato nos 50 m livre na história.

 

"Sei que o [Alexander] Popov tinha cinco de ouro individuais, agora passei. Não pensei que tinha ganho a prova, sabia que estava bem. Tinha que ter torcido para quem estava na raia 3 e 4 não ter voado. Estou sem palavras. Hoje só olhei para minha raia e bati na parede", disse Cielo, em entrevista ao Sportv.

 

O russo Vladimir Morozov surpreendeu ao ficar com a prata com 21s47. O bronze ficou com George Bovell, de Trinidad e Tobago, com 21s51. Já o campeão olímpico Manaudou fez o quinto tempo com 21s64.

 

"É sempre bom [ganhar dos franceses]. A gente tem amizade com alguns, no caso do Bousquets é amigo meu. A gente se respeita, mas aquela pulga atrás da orelha fica sim. Agora terei que treinar três vezes mais, pois sei que os caras virão querendo me matar no ano que vem", afirmou Cielo.

 

A conquista do tricampeonato mundial ajuda Cielo a recuperar a imagem de 'homem mais rápido das piscinas'. Recordista mundial, o brasileiro ficou apenas com o bronze em Londres-2012 e passou por uma fase de desconfianças após passar por cirurgia nos dois joelhos. Neste período, Manaudou se tornou campeão olímpico e virou o favorito na distância.

 

Para voltar a ser o mais rápido do mundo, Cielo mudou de treinador, voltou a treinar períodos fora do país e deixou de disputar os 100 m livre, prova na qual conquistou o título mundial em 2009 e a medalha de bronze nas Olimpíadas de Pequim-2008. Em compensação, disputou os 50 m borboleta em Barcelona e também saiu com o ouro.

 

"Redenção é uma coisa que traz um sentimento inexplicável para a gente. É o sexto ano que subo em um pódio. Não tenho muito o que falar, só quero agradecer quem me apoiou o tempo inteiro. Às vezes ganho, às vezes perco, mas sempre doo 110%", comentou o brasileiro.