Texto extraído de: UOL


O resultado da pernambucana de 22 anos é melhor da história da natação feminina nas piscinas em competições mundiais. Evoluiu 21 posições em relação ao Mundial anterior, de Xangai, em 2011.

 

"Eu não estou acreditando ainda, mas estou muito feliz. Entrei na água para ganhar a prova. Estou com outra cabeça e penso em 2016 estar entre as melhores. Estou muito feliz", falou ao Sportv logo depois da prova.

 

Se nas piscinas um quarto lugar é comemorado, na maratona aquática os resultados são ainda mais expressivos. Lá foram cinco medalhas das oito que o Brasil tem até agora, e todas elas com participação das mulheres.

 

Poliana Okimoto e Ana Marcela Cunha fizeram história ao conseguirem uma uma dobradinha na prova de 10km, obtendo as medalhas de ouro e prata.

 

Poliana já havia sido prata nos 5 km, mesma prova na qual Ana Marcela ganhou medalha de bronze.

 

O país ganhou também o bronze no revezamento da maratona aquática, com Poliana Okimoto estando presente ao lado de Allan do Carmo e Samuel de Bona na prova de 5 km por equipe.

 

O Brasil soma oito medalhas até agora no total no Mundial de Esportes Aquáticos. Além das já citadas, Cesar Cielo ficou com o ouro nos 50 m borboleta, Thiago Pereira com o bronze nos 200 m medley, e Leonardo de Deus com o bronze nos 50 m costas.

 

Os oito pódios em Barcelona já fazem deste o melhor Mundial da história da natação brasileira no número de medalhas. Em Xangai-2011, obteve quatro medalhas, todas de ouro.